Iroko - A filosofia do tempo ancestral

Deixe seu voto



Iroko é o Orixá da árvore, a árvore Orixá, que presencia a passagem das gerações, trazendo o tempo, como um dos seus atributos. Orixá raro nos terreiros de candomblé. Ele que é a ligação do Orum com o Ayê, nos mantendo conectados com os que passaram antes de nós, não nos reconhece pela voz e sim pelo toque, pelo sentimento.

Produção: Beatriz Morgana

Roteiro: Betse de Paula, Francisca Manoela

Som Direto: Kaila Cardoso, Suama Akoni

Empresa(s) produtora(s): Floresta Filmes

Câmera: Gessica emmanuele, Nicolau Saldanha, Thassio Ramos

Direção de Produção: Nataly Yamas

Produção Executiva: Beatriz Morgana, Betse de Paula, Leonor Camargos

Mixagem: Frederico Santiago

Montagem: Betse de Paula, Francisca Manoela, Herlen Santos

Câmera Adicional: Tyrell Spencer

Co-direção: Alba Cristina Darabi

Trilha original: Iago Melo

Diretor de Fotografia: Herlen Santos

Próximas exibições no canal Curta!
18/04/2024 19:30:00 [daqui a 51 dias]
19/04/2024 05:30:00 [daqui a 52 dias]
19/04/2024 13:30:00 [daqui a 52 dias]
20/04/2024 07:30:00 [daqui a 53 dias]
20/04/2024 17:30:00 [daqui a 53 dias]
22/04/2024 07:30:00 [daqui a 55 dias]

Envie o seu comentário
Faça login ou se cadastre para comentar a obra.
Carregar mais comentários
Envie o seu comentário
Após aprovação, seu comentário será publicado e enviado para o diretor do filme. | Normas para publicação

Relatos de Professores



Utilizou este filme em suas aulas?
Relate sua experiência!

Relatos de Professores (0)

Testes de Conhecimentos


Você é Educador?
Crie o primeiro teste de conhecimentos para este filme!
Criar Teste

Séries: Caminhos dos Orixás | 16 Episódios de 26 Minutos

Diretor: Betse de Paula

Elenco: Babá Ajalá DeréMãe DarabiMameto NanguetuMarcos Viní­cius de OxaláPai Rodney de OxossiTathiana Henriques

Sinopse: Iroko é o Orixá da árvore, a árvore Orixá, que presencia a passagem das gerações, trazendo o tempo, como um dos seus atributos. Orixá raro nos terreiros de candomblé. Ele que é a ligação do Orum com o Ayê, nos mantendo conectados com os que passaram antes de nós, não nos reconhece pela voz e sim pelo toque, pelo sentimento.

Alugue