Os combatentes


Disponível no:

1959. Fidel Castro assume o poder. A ilha, localizada a apenas alguns quilômetros da costa norte-americana se torna um ponto estratégico da Guerra Fria. Entre a hostilidade dos Estados Unidos e o apoio, por vezes amplo, da União Soviética, Cuba se recusa a ser um mero peão nesse xadrez político e toma frente ao lado de movimentos de libertação ao redor do mundo, na Argélia, na Bolívia e em Angola, construindo seu próprio caminho na cena internacional. Desde o início, Cuba concebeu sua revolução em escala mundial. Fidel Castro e Che Guevara estão decididos em posicionar Cuba na vanguarda dos movimentos de libertação nacional e anti-imperialistas da África e da América Latina. Mas antes, o país precisa fazer frente ao contexto de embate entre as duas potências. Obrigada a ter que se defender dos ataques dos Estados Unidas, executados pela CIA (que chegam ao ápice na invasão à Baía dos Porcos), Cuba aceita abrigar mísseis soviéticos, o coloca o mundo a beira da guerra nuclear. Mas o desdobramento deste episódio - a decisão unilateral da União Soviética de retirar os mísseis - leva Cuba a se abster desse conflito, e criar seus próprios meios, no contexto do movimento dos países não-alinhados. O país aumenta seu apoio aos movimentos de libertação ao redor do mundo: ele declara apoio ao líder da revolução na Argélia, Ben Bella, envia tropas ao Congo, manda guerrilheiros insurgidos à Bolívia... Fiel à palavra de ordem do Che, de criar "vários Vietnams", Cuba parece estar presente em todo lugar. A tenacidade e o ardor deste pequeno país é surpreendente. E um dos maiores exemplos de sucesso da ação internacional de Cuba é em Angola, onde seu papel será determinante para o fim do Apartheid na África do Sul. Porém, quando a União Soviética entra em colapso, é a própria revolução cubana que está ameaçada...
Envie o seu comentário
Faça login ou se cadastre para comentar a obra.
Carregar mais comentários
Envie o seu comentário
Após aprovação, seu comentário será publicado e enviado para o diretor do filme. | Normas para publicação

Aplicabilidades Pedagógicas



Etapa/Nível de Ensino: Ensino Médio

Área de Ensino: Ciências Humanas

Componente Curricular/Disciplina: História


Planos de Aula (2)

Relatos de Professores



Utilizou este filme em suas aulas? Relate sua experiência!


Relatos de Professores (0)

Testes de Conhecimentos


Você é Educador? Crie o primeiro teste de conhecimentos para este filme! Criar Teste

59 min
2019
França
14 ANOS

Séries: Cuba, a Revolução e o Mundo | 2 Episódios de 59 Minutos

Diretor: Mick Gold

Sinopse: 1959. Fidel Castro assume o poder. A ilha, localizada a apenas alguns quilômetros da costa norte-americana se torna um ponto estratégico da Guerra Fria. Entre a hostilidade dos Estados Unidos e o apoio, por vezes amplo, da União Soviética, Cuba se recusa a ser um mero peão nesse xadrez político e toma frente ao lado de movimentos de libertação ao redor do mundo, na Argélia, na Bolívia e em Angola, construindo seu próprio caminho na cena internacional. Desde o início, Cuba concebeu sua revolução em escala mundial. Fidel Castro e Che Guevara estão decididos em posicionar Cuba na vanguarda dos movimentos de libertação nacional e anti-imperialistas da África e da América Latina. Mas antes, o país precisa fazer frente ao contexto de embate entre as duas potências. Obrigada a ter que se defender dos ataques dos Estados Unidas, executados pela CIA (que chegam ao ápice na invasão à Baía dos Porcos), Cuba aceita abrigar mísseis soviéticos, o coloca o mundo a beira da guerra nuclear. Mas o desdobramento deste episódio - a decisão unilateral da União Soviética de retirar os mísseis - leva Cuba a se abster desse conflito, e criar seus próprios meios, no contexto do movimento dos países não-alinhados. O país aumenta seu apoio aos movimentos de libertação ao redor do mundo: ele declara apoio ao líder da revolução na Argélia, Ben Bella, envia tropas ao Congo, manda guerrilheiros insurgidos à Bolívia... Fiel à palavra de ordem do Che, de criar "vários Vietnams", Cuba parece estar presente em todo lugar. A tenacidade e o ardor deste pequeno país é surpreendente. E um dos maiores exemplos de sucesso da ação internacional de Cuba é em Angola, onde seu papel será determinante para o fim do Apartheid na África do Sul. Porém, quando a União Soviética entra em colapso, é a própria revolução cubana que está ameaçada...

Alugue